Prefeito de Rio Branco defende importância da Floresta Amazônica na sustentação dos rios aéreos, em São Paulo

Prefeito de Rio Branco e presidente da Amac, Tião Bocalom, defende a sustentação dos rios aéreos (Foto: Assecom)

O prefeito de Rio Branco e presidente da Associação dos Municípios do Acre (Amac) Tião Bocalom participa, nesta quarta-feira (08), na Sede da OAB/SP, do seminário “A importância da Floresta Amazônica na sustentação dos rios aéreos – iniciativa do TCE/AC, AMAC, TCM/SP e SECLIMA – Prefeitura de São Paulo”. O encontro é promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, por meio da Comissão de Meio Ambiente.

O seminário tem como objetivo a divulgação da união de esforços entre o TCE/AC, AMAC, Tribunal de Contas Municipal de São Paulo e Secretaria Executiva de Mudanças Climáticas da Prefeitura de São Paulo, no qual diversos especialistas, debaterão o fenômeno do impacto dos rios aéreos, originários da floresta amazônica, no regime hídrico do centro-sul do Brasil.

O prefeito Tião Bocalom defendeu a importância do encontro que reuniu grandes especialistas da área ambiental.

“Quando a gente fala em meio ambiente, não podemos pensar somente em animais, as árvores e os rios. Nós precisamos pensar que, dentro de tudo isso, tem o ser humano e tudo deve existir para beneficiar a qualidade de vida do ser humano. Nós temos que ter um tripé que seja verdadeiramente sustentável e equilibrado.”

Rios Aéreos
Os rios aéreos ou voadores, como são popularmente conhecidos, são fluxos maciços de água sob forma de vapor. O fluxo dos rios aéreos ocorre da seguinte forma: As árvores da floresta amazônica devolvem a água das chuvas para a atmosfera, em forma de vapor d’água, que é transportado e cai em forma de chuva nas outras regiões.

Sendo assim, é fundamental a preservação destes rios que são importantes tanto para o bem-estar da sociedade, como também pela economia do país, trazendo o equilíbrio da biodiversidade. Isso reforça a necessidade de envolvimentos da sociedade e do poder público.