Prefeitura de Rio Branco garante os direitos de mulher idosa em situação de violência

(Foto: Assecom)

A Prefeitura de Rio Branco segue promovendo políticas públicas e parcerias na promoção e garantia de direitos de mulheres vítimas de violência. Por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH), a prefeitura realizou na última quarta-feira (1), uma ação mais sensível de garantias de direitos e dignidade a uma idosa de 65 anos de idade.

A equipe de Direitos Humanos acompanha a situação de uma mulher idosa, identificada com as iniciais V.F.N desde o ano de 2021. O caso chegou ao Departamento de Políticas para Mulheres, vinculado à Diretoria, por meio de denúncia de abandono à pessoa idosa, e passou a realizar atendimento, acompanhamento e encaminhamentos sociais, sendo o último ao Lar Vicentino.

Rila Freze, diretora de Direitos Humanos, explica que desde o início da gestão a idosa já foi encontrada quatro vezes em situação de vulnerabilidade e abandono, sendo o último no início de janeiro de 2023. Desta vez sendo abandonada na frente da “Casa Rosa Mulher”, com grave infecção alimentar e muito debilitada.

“Fizemos todas as visitas à família e tentamos várias vezes o fortalecimento de vínculo familiar. Procuramos o trabalho transversal com outras unidades, registramos boletim de ocorrência e encaminhamos em meados de maio de 2022 ao MPAC,  já dialogamos com a delegacia do idoso, fizemos tudo que podíamos para que a família cuidasse”, acrescenta.

Diante das inúmeras violações de direitos e abandono, a diretoria decidiu levar ao hospital e fazer os cuidados necessários, já que no entendimento da diretoria, o retorno para a família seria também violar os direitos da idosa, considerando que ela expressou não querer voltar.

A partir disso foi organizada uma força tarefa para cuidar de dona V.F.N, junto ao Direitos Humanos e Equipe Casa Rosa Mulher, UPA 2° Distrito, Semsa e Hospital das Clínicas/Fundação, e Lar Vicentino, para cuidar e garantir os direitos fundamentais da idosa que também é cadeirante, devido sequelas de um AVC.

Após um longo período em internação Hospitalar para realização de exames e tratamento, recebeu alta médica na última quarta-feira e foi levada pela equipe de Direitos Humanos ao Lar Vicentino, lugar onde será acompanhada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outros profissionais. Totalmente lúcida, se mostrou muito feliz em conhecer sua nova moradia e as pessoas às quais irá conviver todos os dias. Pessoas essas que também serão sua nova família.

Segundo a advogada da Casa Rosa Mulher, esse foi um trabalho árduo, considerando as condições nas quais foi deixada.

“Nem vacina ela nunca tinha tomado, mas estamos com a sensação do dever cumprido. Agora ela está sendo cuidada e em lugar seguro, vai poder ter um pouco da sua dignidade resgatada agora”, finaliza.