Prefeitura de Rio Branco realiza grande ação de enfrentamento ao mosquito da dengue na Cidade do Povo

Trabalho consiste em orientar moradores quanto a importância de deixar suas residências sempre limpas e sem acúmulo de água parada. (Foto: Evandro Derze/Assecom)

O ano de 2021 em Rio Branco foi marcado por uma grande epidemia de dengue, quando mais de sete mil casos e três mortes foram registrados na capital acreana. Com um intenso trabalho de prevenção à doença, a prefeitura, por meio da Secretária Municipal de Saúde (Semsa), conseguiu reduzir em mais de 95% os casos e zerar o número de óbitos.

Na manhã desta segunda-feira (26), a equipe da Vigilância Sanitária iniciou um grande mutirão de prevenção à doença no Conjunto Habitacional Cidade do Povo. O trabalho consiste em visitas de casa em casa, realizadas pelos agentes de endemias do município, para conscientizar e orientar os moradores quanto a importância de deixar suas residências sempre limpas e sem acúmulo de água parada, que é onde o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya se reproduz.

Cilani Peres, coordenadora de Visitas Domiciliares da Vigilância Epidemiológica do município, explica no que se baseia a ação.

“Estamos começando hoje as visitas aqui na Cidade do Povo, intensificando o trabalho nesse período de chuva, vamos visitar todos os imóveis aqui do bairro, levando informação para os moradores do que eles precisam fazer para deixar seus quintais livres do aedes aegypti e havendo necessidade aplicar o larvicida para que o domicílio fique livre do mosquito.”

A agente de endemias, Jocicléia Vieira, reforça que o trabalho desenvolvido pela Vigilância só obtém sucesso quando a população entende a sua importância e colabora recebendo bem os agentes e mantendo as casas sem focos e criadores do aedes aegypti.

“É muito importante que o morador tenha consciência e ajude a gente a intensificar o combate ao mosquito”, alertou.

A aposentada Maria Antônia, moradora do bairro, recebeu bem os agentes de endemias e disse que toma todos os cuidados necessários para combater a doença.

“Aqui o mosquito não chega nem perto, porque a gente não deixa”, afirmou.