Prefeitura de Rio Branco lança programa  Minha Dignidade em que pretende custear até 90% do terreno para moradia popular

(Foto: Assecom)

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, lançou na manhã desta sexta-feira (30), o Programa Minha Dignidade, com presença de todos os secretários e imprensa.

(Foto: Val Fernandes/Assecom)

O Minha Dignidade é um projeto pioneiro da prefeitura de construção de prédios com quatro andares, onde servidores públicos municipais poderão realizar financiamento junto ao banco para adquirir seu imóvel.

“Nunca teve um programa de habitação popular tão forte como esse que estamos fazendo agora, porque quem fez isso foi o estado, onde a prefeitura assumiu essa questão da habitação popular em Rio Branco”, disse o prefeito.

O diferencial trazido pelo prefeito Tião Bocalom é a oportunidade de haver um custeamento de boa parte do valor do terreno por meio da prefeitura.

(Foto: Val Fernandes/Assecom)

“Os servidores municipais que ganham de um até sete salários mínimos, dentro das faixas que o município vai subsidiar parte do terreno, dependendo da faixa remuneratória”, explicou o secretário de Gestão Administrativa  (SMGA), Jonathan Santiago.

O secretário da SMGA disse ainda que vai subir um estudo que pretende avaliar a possibilidade de estender o benefício desse sistema de moradias aos agentes de segurança pública, com o objetivo de ampliar a segurança nessas regiões.

Para os servidores municipais que ganham de um até três salários mínimos, o custeamento da prefeitura será de 90% do valor, para os que recebem de quatro a cinco, será de 60% e para aqueles que recebem de seis a sete, será de 40%. Já a população em geral que recebe de um a três salários mínimos será contemplada em até 80% do custeamento do terreno.

(Foto: Val Fernandes/Assecom)

O secretário municipal de Finanças, Cid Ferreira, explicou que a prefeitura vai iniciar o projeto no primeiro semestre de 2024. Onde, inicialmente, serão construídos três prédios de quatro andares e 16 apartamentos, que serão contemplados por 48 famílias.

“Vamos iniciar esses três na região do Santo Afonso, uma área que já está matriculada e titularizada, e então nós vamos ampliar para a região da estrada do Calafate, será pulverizado em vários locais da cidade”, explicou.