Prefeitura promove capacitação a servidores para melhoria no atendimento às pessoas com deficiência em Rio Branco

Ação aos servidores de saúde da Urap da Vila Ivonete para melhorar o atendimento às pessoas com deficiência (Evandro Derze/Assecom)

No Dia Nacional de Luta pelos Direitos da Pessoa com Deficiência, comemorado em 21 de setembro, a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), promoveu, como forma de reflexão sobre direitos e deveres da sociedade como um todo, uma ação voltada aos servidores de saúde da Unidade de Referência em Atenção Primária (Urap) da Vila Ivonete, para um atendimento ainda melhor às pessoas com deficiência.

“Essa ação promovida pela Urap da Vila Ivonete é brilhante, pois deixam os funcionários mais próximos da população, ouvindo as necessidades para dar um melhor atendimento. Isso tem sido o sonho, o desejo e a orientação do nosso prefeito”, afirmou o assessor de Articulação Institucional, Hélder Paiva.

De acordo com a coordenadora da Urap, Franciana Dantas, o objetivo da atividade é fazer com que a equipe de saúde faça o acolhimento desses pacientes de forma digna.

“Ele já vem de tantas lutas diárias, mas quando chegar aqui a gente vai saber fazer aquele atendimento humanizado. Na nossa ação, a gente tinha um representante de cada setor, da recepção, do laboratório para quando essas pessoas chegarem sejam bem atendidas e os profissionais saberem como tratar esse paciente.”

Eline Lima, assistente social responsável pela área técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência, explicou sobre a ação desenvolvida na Urap.

“Temos trabalhado a implementação da Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência, promovendo a inclusão e trabalhando com qualificações dos nossos servidores, para dar um acesso melhor para a sociedade, que muitas vezes encontra uma falta de atendimento humanizado.”

O diretor do conselho fiscal do Centro de Apoio à Pessoa com Deficiência do Acre – Capedac, Mazinho Silva é cadeirante desde a juventude e reforçou a importância da empatia para o desenvolvimento de políticas e atendimento público com equidade. Sobre a data, ele disse que não há muito o que comemorar, e sim lutar por dias melhores.

“Por dignidade humana, direitos, que nós também temos, como qualquer outro cidadão brasileiro, de poder construir sua família, estudar, trabalhar e ser incluído na sociedade. Sabemos que temos as legislações e leis que nos amparam. Só que, infelizmente, de forma efetiva não é colocado em pratica ainda. Mas nós precisamos o que? Unir forças para lutarmos por esses direitos, não só hoje, como todos os dias da nossa vida”, ressaltou.