Prefeitura de Rio Branco tenta conscientizar a população sobre a importância da vacinação contra a poliomielite

A poliomielite causa a paralisia de membros pelas lesões de neurônios (Ilustração)

Já são 33 anos sem a notificação de casos da poliomielite no Brasil. Mas afinal, você sabe o que é isso? A poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada por um vírus que vive no intestino, chamado poliovírus, que infecta em sua maioria, crianças de zero a cinco anos.

“As sequelas são terríveis” (Foto: Evandro Derze/Assecom)

O médico da família, Dr. Fabrício Lemos, lotado na Policlínica Barral Y Barral explicou que o vírus causa a paralisia infantil, destruindo os neurônios da criança.

“Ela se manifesta com febre, vômito, dor de cabeça e começa a trazer a paralisia de algum membro, podendo causar convulsão e também muita dor de cabeça. Ela é muito parecida com a meningite, mas vai produzindo a paralisia de membros através de lesões de neurônios”.

A forma de transmissão é mais fácil do que se pode imaginar. Ela ocorre pelo contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas infectadas e dependendo da gravidade do caso pode, ou não, provocar a paralisia.

Mesmo erradicada desde 1989, a poliomielite ainda segue como um risco pertinente aos brasileiros. Pois de 2015 para cá, o Brasil não atinge a meta de 95% do público-alvo vacinado, patamar necessário para que a população seja considerada protegida.

“Não queremos que essa doença entre no município e para isso estamos intensificando a vacinação contra a poliomielite” (Foto: Evandro Derze/Assecom)

A secretária Municipal de Saúde, Sheila Andrade, informou que do ano passado pra cá a poliomielite está voltando com muita força em alguns países e a Prefeitura Municipal de Rio Branco está tomando as medidas necessárias para evitar que isso aconteça.

“Queremos que essa doença não entre no município e para isso estamos intensificando a vacinação contra a poliomielite”, explicou

O médico Fabrício disse que o grande pavor da poliomielite, além da possibilidade de levar à morte, são as sequelas permanentes que a doença pode deixar.

“A criança infectada pode ter paralisia do membro, problema na deglutição, calor, frio e muita dor de cabeça. As sequelas são terríveis”, esclareceu.

Tendo em vista que a pólio é uma doença que não tem cura, a única forma de prevenção é por meio da vacinação. Por isso, o prefeito Tião Bocalom, preocupado com a baixa cobertura vacinal no município, resolveu propor o retorno da vacinação noturna na Praça da Revolução.

Fabricio Lemos disse ainda que o mutirão de vacinação é no centro da cidade, tem ônibus e é em um horário alternativo para os pais que trabalham durante o dia.

“Precisamos que levem seus filhos para vacinar para que venhamos prevenir essa doença que está chegando perto do Brasil”, reforçou Fabrício Lemos.

O mutirão iniciou nesta quinta-feira (22) e vai até o domingo (28), das 18h às 22h, onde são ofertadas a vacina contra a pólio para crianças de zero a 4 anos, 11 meses e 29 dias, bem como outras vacinas, entre elas a da covid-19, para adolescentes até 15 anos.

“Nós vamos estar aqui de braços abertos com uma equipe competente para receber vocês com maior carinho e amor”, finalizou Sheila Andrade.