Prefeito de Rio Branco visita reservatório do Saerb e volta a garantir água de qualidade 24 horas por dia na capital

“O problema de água em Rio Branco tem solução”, garante Tião Bocalom (Foto: Evandro Derze/Assecom)

O prefeito Tião Bocalom esteve na manhã, deste sábado, 19, no Centro de Reservação de Água do Serviço de Água e Esgoto de Rio Branco (Saerb), que fica no bairro Palheiral. O Centro tem um apoiado e também um elevado que faz a distribuição da água para 50% da cidade.

O engenheiro do Saerb Fernando Cardoso participou da reunião e inclusive mostrou um mapa ao prefeito, explicando o que o Saerb está pensando para melhorar o abastecimento de água na capital. Nós estamos apresentando ao prefeito, possíveis melhorias que a gente pode fazer no sistema de toda a cidade. A ideia é colocar água 24 horas nas torneiras”, informou Fernando.

“Um projeto piloto será implantado para no máximo em um mês ter uma noção exata de expansão para toda a capital”, disse o presidente do Saerb Enoque Pereira, que complementou “Nós estamos entrando em fase de licitação agora para adquirir novos motores, novas bombas. Quanto a água, nossa produção é ideal para Rio Branco ter água nas torneiras, 24h por dia”, finalizou.

“É uma luta de campanha resolver o problema de abastecimento de água em Rio Branco, mas precisamos ter paciência porque a nova gestão pegou a empresa sucateada e o prefeito Tião Bocalom está dia e noite lutando para que possa dar uma água com qualidade para a população rio-branquense”, destacou o secretário da Casa Civil, Valtim José.

O prefeito Tião Bocalom fala do problema de água na cidade desde 2008 e enfatiza que tem solução. “Nessa reunião ficou claro que é possível melhorar, sim, o problema de água aqui na capital. Pegamos um Saerb falido. Temos ainda que comprar os materiais que estão sucateados e isso leva tempo. Para termos uma bomba grande dessas leva no mínimo 6 meses para a indústria entregar. Nós temos ainda três anos pela frente para, ao final dos quatro anos, a gente poder ter água nas torneiras 24h por dia”, concluiu Bocalom.