Prefeitura de Rio Branco inicia vacinação em crianças de 11 anos na capital acreana

Rafael, ao lado da mãe, foi a primeira criança a tomar a vacina em Rio Branco na USF Maria Áurea Vilela Santos (Foto: Dircom)

Em um momento histórico no combate ao coronavírus no município, o Prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, junto a secretária Municipal de Saúde, Sheila Andrade, deu início, nesta segunda-feira, 17, na Unidade de Saúde da Família (USF) Maria Áurea Vilela Santos, localizada no bairro Cadeia Velha, a vacinação de crianças de 5 a 11 anos na capital acreana.

Na ocasião, estiveram presentes o senador da República, Sérgio Petecão, os vereadores Raimundo Castro e Ismael Machado, o Assessor Parlamentar, Helder Paiva e a coordenadora da Vigilância Epidemiológica do Município, Socorro Martins.

A autônoma Kerlly Miranda, mãe de Rafael Miranda, não conseguia esconder a emoção, mesmo por trás da máscara de proteção. O filho foi a primeira criança a ser vacinada contra a covid-19 no município. Segundo a autônoma, Rafael possui algumas comorbidades, como cardiopatia, paralisia cerebral e espectro autista (TEA), o que deixa a imunidade dele muito baixa, e ela temia que o menino fosse contaminado pelo coronavírus. Agora, com a vacina, ela ficou mais tranquila.

“Estava ansiosa para vacinar, deixar meu filho protegido, até por que ele tem algumas comorbidades então a imunidade dele é muito baixa. De segunda-feira à sexta-feira a gente frequenta centro e fisioterapia então ele acaba ficando exposto ao vírus. Estava muito ansiosa para a vacinação, graças a Deus chegou”, disse a autônoma.

Sheila: “A criança que tiver comorbidades terá que trazer o laudo médico” (Foto: Dircom)

Com a primeira remessa de vacinas do Ministério da Saúde (MS), o município de Rio Branco recebeu 2.860 doses, um quantitativo pequeno para a população da capital, que tem aproximadamente 49 mil crianças na faixa etária de 5 a 11 anos. Devido ao baixo quantitativo, neste momento a vacinação das crianças vai ser em ordem decrescente, começando por 11 anos e depois avançando para as demais idades a medida que mais doses sejam enviadas ao município.

Segundo a secretária Sheila Andrade, vão ser vacinadas as crianças de 11 anos, com e sem comorbidades. “Nós vamos vacinar todas as crianças. O detalhe é que aquela criança que tiver comorbidades, para se vacinar o pai, mãe ou responsável terá que trazer o laudo médico”, explicou a secretária.

Para ser imunizada, toda criança deve estar acompanhada do pai, da mãe ou responsável legal. Os responsáveis devem assinar o Termo de Autorização e receber as informações sobre possíveis reações esperadas da vacina. As crianças que possuem comorbidades devem apresentar a prescrição médica para vacinação. Além disso, a vacinação infantil vai ocorrer de forma diferenciada, após a vacinação, a criança precisa ficar de repouso na sala de vacinação com o responsável por cerca de 20 minutos.

A Semsa, pensando estrategicamente como levar qualidade de serviço e dignidade a população rio-branquense, capacitou profissionais da saúde para atuarem nas cinco Unidades de Saúde da Família (USF) que são pontos de referência exclusivo para vacinação das crianças, sendo:

  • USF Manoel Bezerra, Cidade do Povo;
  • USF Gentil Perdome da Rocha, Conjunto Esperança;
  • USF Dr. Mário Maia, Bairro 15;
  • USF Maria Áurea Vilela no Cadeia Velha;
  • USF Vitória, Bairro Vitória/Regional São Francisco;

As Unidades de Saúde da Família (USF) vão funcionar pela parte da manhã, das 8h às 12h e, pela parte da tarde, das 14h às 16h.

Prefeito Bocalom: “Estamos muito felizes, mas os pais precisam ter paciência, pois é uma vacinação que não anda tão rápido como a dos adultos” (Foto: Dircom)

O Prefeito Tião Bocalom ressaltou estar muito feliz com o início da vacinação das crianças e explicou que os pais devem ter paciência, pois a imunização precisa seguir algumas recomendações do Ministério da Saúde (MS).

“Estamos muito felizes por estar iniciando a vacinação das crianças, mas os pais precisam ter o entendimento que vamos devagar, a criança tem que vir aqui se vacinar, aguarda 20 minutos para depois poder sair, então é uma vacinação que não anda rápido como a dos adultos. Essa vacinação é demorada, então pedimos paciência aos pais para podermos vacinar todo mundo, assim que o Ministério da Saúde (MS) for mandando as doses, vamos continuar vacinando. Ficamos muito felizes e agradecidos a Deus por esse momento e essa oportunidade”, ressaltou o prefeito.

Recomendações organizacionais:

  • A vacinação de crianças deve ser realizada em ambiente específico e segregado da vacinação de adultos, em ambiente acolhedor e seguro para a população;
  • Quando vacinação nas comunidades isoladas, por exemplo, zona rural, sempre que possível, que as vacinações de crianças sejam feitas em dias separados, não coincidentes com a vacinação de adultos;
  • Que a sala em que se dará a aplicação de vacinas contra a covid-19, em crianças de 5 a 11 anos, seja exclusiva para a aplicação dessa vacina, não sendo aproveitada para a aplicação de outras vacinas, ainda que pediátricas;
  • Que a vacina covid-19 não seja administrada de forma concomitante a outras vacinas do calendário infantil, por precaução, sendo recomendado um intervalo de 15 dias;
  • Que seja evitada a vacinação das crianças de 5 a 11 anos em postos de vacinação na modalidade drive thru ou mutirão de vacinação;
  • Que as crianças sejam acolhidas e permaneçam no local em que a vacinação ocorrer por pelo menos 20 minutos após a aplicação;
  • Que os profissionais de saúde, antes de aplicarem a vacina, informem ao responsável que acompanha a criança sobre as principais reações esperadas: dor, inchaço, vermelhidão no local da injeção, febre, fadiga, dor de cabeça, calafrios, mialgia (dor no corpo), artralgia (dor nas articulações) e linfadenopatia (íngua ou gânglios aumentados) na região axilar localizada no mesmo lado do braço vacinado;
  • Que os pais ou responsáveis sejam orientados a procurar o médico se a criança apresentar dores repentinas no peito, falta de ar ou palpitações após a aplicação da vacina;
  • Que os profissionais de saúde, antes de aplicarem a vacina, mostrem ao responsável que acompanha a criança que se trata da vacina contra a covid-19, frasco na cor laranja, cuja dose de 0,2ml, contendo 10 mcg da vacina contra a covid-19, Comirnaty (Pfizer/Wyeth), especifica para crianças de 5 a 11 anos, bem como seja mostrado a seringa a ser utilizada (1ml) e o volume a ser aplicado (0,2ml);
  • Que seja notificado e encaminhado à Rede de Frio toda reação relatada e/ou observada, inclusive alterações observadas no produto;