Prefeito reúne diretoria da RBTrans, secretários e dono de concessionária para discutir soluções para o transporte público

Os precários serviços ofertados à população rio-branquense na área do transporte público na capital acreana, está obrigando o chefe do executivo municipal a tomar uma série de medidas na busca da melhoria do serviço ao cidadão.

Nesta terça-feira, 16, o prefeito Tião Bocalom, reuniu a diretoria da RBTrans, o secretário Municipal de Meio Ambiente (Semeia), Normando Sales e o Assessor Parlamentar Legislativo Helder Paiva para discutir soluções para o transporte público em Rio Branco. O empresário Rubens Corrêa, proprietário de uma concessionária de automóveis foi convidado a participar da conversa.

Rubens possui larga experiência no ramo de transporte público e, por se relacionar bem com este seguimento, foi convidado a participar, como colaborador. Segundo o empresário, ele fará gestão junto aos empresários do ramo para auxiliar a prefeitura na busca de uma solução viável para o transporte coletivo na capital.

“Nós podemos apresentar uma série de novas tecnologias para a prefeitura, na linha do transporte público. Veículos elétricos, por exemplo, é uma tendência mundial e o prefeito Tião Bocalom tem se insurgido sobre esse tema”, disse Rubens.

O transporte coletivo em Rio Branco atua mediante concessão, que vem de gestões anteriores e nos últimos tempos a frota envelheceu. Isso tem feito com que a empresa seja notificada constantemente pela RBTrans.

Ao assumir a prefeitura em janeiro deste ano, a atual gestão encontrou esta situação e desde então, vem conversando e notificando a empresa prestadora do serviço para que a mesma melhore a qualidade do atendimento. O prefeito Tião Bocalom conseguiu reduzir a tarifa de ônibus em Rio Branco e luta para melhorar a qualidade da frota e a regularidade do serviço.

“O transporte público em Rio Branco é muito ruim e nós precisamos melhorar. Estamos trabalhando muito e buscando novas parcerias nesse sentido. Estive na Alemanha recentemente, onde conheci o funcionamento do ônibus elétrico que, pode ser uma alternativa sim. O que não pode é, em clima quente como o nosso, o cidadão andar em ônibus sem ar-condicionado e sem a regularidade necessária, isso precisa mudar”, ponderou o gestor.