Prefeitura de Rio Branco realiza o pré-lançamento da 4ª Feira da Economia Solidária na capital

A prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Econômico (Safra), realizou na manhã desta sexta-feira, 15, o pré-lançamento da 4ª Feira do Feirante da Economia Solidária que ocorrerá do dia 28 a 30 de outubro.

No evento, estavam presentes os secretários municipais de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Econômico (Safra), Eracides Caetano, do Meio Ambiente (Semeia), Normando Sales, o coordenador da Defesa Civil, major Cláudio Falcão, vereadores, entre outras autoridades da gestão.

O presidente da Unisol, Carlos Omar, um dos parceiros da Feira, falou sobre os trabalhos dos produtores da capital e as perspectivas para essa programação.

“Através dessa feira, os feirantes estão tendo todo o incentivo de fortalecimento de comercialização dos produtos desses trabalhadores da agricultura familiar e economia solidária. Isso evidencia que a política do município está sendo fortalecida e faz com que esse trabalho seja desenvolvido no nosso município. Quero parabenizar o prefeito por essa iniciativa e por esse trabalho”, disse o presidente.

O secretário da Safra, Eracides Caetano, falou sobre a importância desse evento para os pequenos produtores. “São eles que levam o alimento para a mesa da população de Rio Branco. E a gente tem que valorizar. Essa é apenas uma das primeiras feiras que a gestão está promovendo e vamos dar continuidade ao trabalho, incentivando os produtores”, assegurou o secretário.

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, sempre defendeu o incentivo à produção rural. “Quando criamos uma condição para o produtor negociar a sua produção e poder agregar mais valor é muito importante. Nós precisamos ver o produtor ganhar dinheiro e para ver isso, tem que verticalizar a produção e criar as condições para que eles produzam e se possível também vender”, disse o prefeito.

Ainda de acordo com o prefeito, apoiar os produtores para ajudar na economia e a população local é uma das prioridades da gestão. “Esse é o nosso grande desafio e o produzir para empregar que eu preguei a vida inteira e nunca neguei: produzir primeiro para abastecer o mercado interno e depois pensar em exportação. E a política da nossa gestão é de dar esse apoio para os nossos produtores, para que eles possam produzir e ganhar dinheiro”, finalizou Bocalom.