Prefeito de Rio Branco explica processo de reversão do sistema de abastecimento de água ao MPAC

O Prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, participou na tarde desta quarta-feira, 21, de uma reunião por meio de videoconferência com membros do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC). Na oportunidade, ele explicou para Procuradora-Geral de Justiça, Kátia Rejane, como está ocorrendo o processo de reversão do sistema de abastecimento de água e esgoto do Estado para o Município.

“Nossa reunião foi boa porque foi esclarecedora. Nós colocamos a nossa posição, nós colocamos como é que a gente pretende trabalhar no sentido da reversão do sistema. Nada melhor que o diálogo e nós estaremos sempre prontos para dialogar”, disse o prefeito, acrescentando que pelos estudos feitos pela prefeitura é viável assumir a responsabilidade de gerir o sistema.

“Se Deus quiser, até ao final de 2022 nós teremos água todos os dias em todas as torneiras de Rio Branco. E, até ao final dos quatros anos, a gente terá água 24 horas por dia. Não tenho dúvida de que a gente vencerá esse desafio”, enfatizou Bocalom.

Risco da privatização

O prefeito disse que mostrou, em números, o risco em caso de privatização do sistema. “O que aconteceria, nesse caso, é que o preço da água iria subir quatro, cinco vezes”, explicou o gestor, justificando que o empresário que por acaso viesse investir no sistema iria querer o retorno do valor a ser investido. “Não há quem me convença de que a privatização seria a melhor solução”, concluiu Bocalom.