Prefeitura de Rio Branco adere ao Pacto Nacional de Implementação dos Direitos da Pessoa Idosa

O prefeito Tião Bocalom, assinou na manhã desta segunda-feira, 28, o termo de adesão ao Pacto Nacional de Implementação dos Direitos da Pessoa Idosa que tem como objetivo incentivar a revitalização dos conselhos existentes, bem como criar ou regulamentar o Fundo dos Direitos da Pessoa Idosa.

Conforme a diretora de Direitos Humanos da SASDH, Rila Freze, para a proteção da pessoa idosa aplica-se ao termo toda a legislação vigente sobre matéria. “Nosso dever é promover cidadania, garantir o direito do idoso para que ele tenha um envelhecimento saudável”, disse.

O pacto também prevê capacitação oferecida pela Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, para gestores municipais, e pessoas atuantes na rede de atenção, inclusive na área da saúde. “Nós estamos preparando um ambiente para nós mesmos no futuro. Cuidar dos idosos hoje é reconhecer a luta dessas pessoas na construção de Rio Branco e do Acre”, explicou secretário municipal de Saúde, Frank Lima.

O vereador Antônio Moraes ressaltou a importância de a prefeitura aderir ao pacto e enalteceu o gesto do prefeito Bocalom de fazer a adesão no bairro Calafate. “É um momento de alegria é o prefeito reafirmando seu compromisso com o povo e seu carinho pelo idoso, aqui na região do Calafate”, completou.

Também participaram do evento, conselheiros municipal e estadual, representantes do Ministério Público, Judiciário, Defensoria Pública e da Ordem dos Advogados Seccional Acre.

O promotor de justiça, Daisson Teles, destacou a importância do termo. “Vai resguardar direito para esse público, ainda de certa forma, carente de políticas públicas e que se faz agora contemplado por meio da adesão ao Pacto Nacional”, avaliou.

o prefeito Tião Bocalom disse que as ações previstas no Pacto já vêm sendo realizadas pela SASDH e que a adesão do município é mais uma forma de promover dignidade. “A pessoa idosa precisa de muito carinho, precisa principalmente, ter o abrigo da família e nem sempre é que a gente vê”, observou o gestor.