Pandemia: autoridades avaliam cenário e repensam estratégias

Autoridades se reúnem para debater estratégia de combate ao coronavírus (Foto: Dircom)

Diante do cenário preocupante da covid-19, na capital acreana, representantes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do Acre se reuniram nessa terça-feira, 16, no Palácio Rio Branco, para discutir a problemática da pandemia e a possibilidade de implementar medidas restritivas mais rigorosas, visando conter a disseminação do vírus.

Há um ano, os acreanos convivem com a tormenta da pandemia, que chegou ao Estado, no dia 17 de março de 2020. Um ano depois, conforme as autoridades, a doença alcançou seu momento mais severo, com centenas de casos de infecção por dia, causando pressão sem precedente na rede de saúde e afogando sua capacidade de atendimentos, tanto público quanto privado.

A fila por uma vaga na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) no Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into-AC), unidade de referência em Rio Branco para quem apresenta sintomas de covid-19 chegou a 14 pacientes, só na terça-feira. O hospital que atende uma média diária de 400 pessoas, se aproxima da ocupação total.

O prefeito de Rio Branco e presidente da Associação dos Prefeitos do Acre (Amac), Tião Bocalom, informou ter se reunido com representantes do setor produtivo da capital e com 20 dos 22 prefeitos do estado para ouvir as demandas de cada seguimento no âmbito do Poder Público. Destacou a iniciativa de um grupo de empresários que está se mobilizando para produzir e veicular, no rádio e na televisão, peças publicitárias de enfrentamento a covid-19 e que várias prefeituras têm seguido, com êxito, a mesma linha.

“Mas seguimos na luta e vamos pela maioria. Não estamos medindo esforços na prefeitura, e a todo momento nossa equipe municipal de Saúde está em sintonia com a equipe do Estado, dividindo responsabilidades e trabalhando em conjunto. Estou sempre em contato com o governador Gladson e dividimos nossas aflições”, disse o prefeito Tião Bocalom.

O encontrou reuniu representantes da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), prefeitura de Rio Branco, Tribunal de Justiça do Acre (de forma remota), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Ministério Público do Acre (MPAC), Procuradoria Geral do Estado (PGE), além de gestores estaduais e municipais.

“Nesse um ano de combate, eu digo meu muito obrigado a todos os poderes que estão juntos conosco desde o início. Confesso que estamos todos cansados. E agora preciso que sejam tomadas decisões que possamos dividir, além de termos toda a base legal”, destacou o governador Gladson Cameli, que coordenou o encontro.

A procuradora-geral do Ministério Público, Katia Rejane, lembrou que a pandemia, no Acre, atingiu ao momento mais delicado. “Reconhecemos todo o trabalho até agora, mas estamos no momento mais crítico e precisamos saber o que deve ser feito para a contenção dessa pandemia, observando o que deu certo e aprender com os erros. Existe toda uma equipe multidisciplinar que pode nos ajudar a tomar as decisões corretas e certeiras”, explicou.

Ficou consensuado entre os participantes do encontro que uma reunião virtual com todos os prefeitos do Acre será agendada, em caráter extraordinário, para sensibilização do momento vivido e a criação de um Conselho Estadual de Crise. A reunião prevê, ainda, um novo plano de fiscalização junto a segurança pública e demais setores reguladores, em caso de deliberação de uma medida restritiva ainda mais rígida para todo Acre.