Prefeitura monta esquema especial para atendimento em saúde no Parque de Exposições

Com o objetivo de minimizar os riscos de disseminação de doenças infectocontagiosas, especialmente covid-19, além de realizar o controle endêmico e prestar atendimento às vítimas da cheia do Rio Acre, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (Semsa) prepara uma estrutura para atender as pessoas nos abrigos oferecidos pelo Município no Parque de Exposições.

O Rio Acre, nesta segunda-feira, 15, atingiu 15,13 metros. Durante a mobilização, que envolve várias secretarias e órgãos da administração municipal, no âmbito da saúde, serão ofertadas consultas médicas, psicológicas, serviços de odontologias e de enfermagem, coleta de exames laboratoriais, dispensação de medicamentos, aplicação de vacinas e distribuição de preservativos.

Secretário da Semsa mostra o local para a equipe (Foto: Dircom)

Incorporado a esses serviços, o prefeito Tião Bocalom, orientou para que Semsa disponibilizasse também um lactário no parque, espaço destinado à limpeza, esterilização, preparo de mamadeiras para cada criança de acordo com a idade. O acesso é restrito apenas para as lactaristas ou responsáveis por seus filhos. A análise do local foi feita nesta segunda-feira pelos técnicos da Vigilância Sanitária de Rio Branco.

O secretário de saúde, Frank Lima, explicou que em caso de remoção de famílias por causa da enchente do principal manancial da cidade, elas serão acomodadas nos módulos habitacionais construídos no Parque de Exposições.

“Se houver suspeita de Covid a pessoa não vai direto para os módulos habitacionais, vai para os módulos de transição onde receberá atendimento médico. Se necessário., passa por exames laboratoriais e quando chegar o resultado, se for positivo, a pessoa é tirada do parque e levada para uma escola ou unidade hospitalar. Se der negativo o exame, aí ela vai para área de habitação dentro do próprio parque”, explicou Frank Lima.

Semsa monitora UBS que possa ser atingidas pela cheia (Foto: Dircom)

A Semsa monitora a cheia do Rio Acre, porque, pelo menos cinco unidades de saúde do município podem ser alcançadas pela alagação como, por exemplo, a Unidade Básica de Saúde do bairro Triângulo Novo. “Proteger o patrimônio público é nossa obrigação, mas também estamos atentos para que a população não fique sem os serviços”, completou o secretário.